Atributos das redes de comunicação informais

Armenio Rego tem se tornado meu autor queridinho. Gosto muito das abordagens dele sobre comunicação interna. Ainda sobre comunicação informal, assunto do meu último post, ele salienta que um dos maiores equívocos da vida organizacional reside na crença de que o organograma é um espelho fiel das redes de comunicação – ou que, pelo menos, representa os fluxos organizacionais essenciais. A realidade, segundo ele, é muito mais complexa.

Precisamos pensar para além do organograma.  Por trás dele existe um “funciograma” que nos dá insights muito mais valiosos sobre os meandros pelos quais a comunicação caminha até se fazer compreendida.

Sobre a informalidade, precisamos lembrar que:

- As pessoas se aglutinam em tribos, em grupos que elas se sentem parte (times de futebol, religião, formação, interesses comuns de outras naturezas). Proximidade física no trabalho, realizar trabalho junto e outros fatores formais também contribuem para essa aglutinação que não se aproxima ou tem compromisso com o organograma da empresa.

- As redes informais também não respeitam hierarquia. Uma rede pode ser formada por pessoas em diferentes posições.

- A rede informal é onde seus membros vão buscar “respostas” em momentos de incerteza.

- Não respeitam as “business hours”. Elas acontecem todo momento, presencialmente, por telefone, por SMS e por facebook…

- Tendem  a se desenvolver mais quando os canais formais são rígidos, pois, usando as palavras do Rego, “as pessoas querem escapar dessa rigidez e satisfazer necessidades de convívio social  e espontâneo”.

- As redes omplementam os canais formais.

Valem ainda as palavras de outros autores citados no último post (Krackhardt e Hanson) que dizem que ‘as redes informais podem permitir contornar os procedimentos formais, facultando o avanço de iniciativas estagnadas e o cumprimento de prazos apertados. Mas também pode servir para sabotar os melhores planos da empresa (…) e fomentar a oposição à mudança – a menos que os gestores saibam como identificá-las e dirigi-las’.

Comments

comments

Artigos relacionados

Tem algo a dizer? Fique a vontade!

 
Seguir

Receba os posts em seu email.

Cadastre seu email