Comunicação Interna é destaque no O Estado de S.Paulo

Neste último domingo, dia 23/02/14, saiu uma matéria bem bacana no O Estado de S. Paulo sobre a importância da Comunicação Interna, escrita pela Thatiana Cappellano. Abaixo você pode lê-la na íntegra! Thatiana Cappellano OESP

Comunicação Interna

Há duas verdades sobre a Comunicação com Empregados (se é que existem verdades absolutas). A primeira refere-se aos CNPJs: nenhuma pessoa jurídica, independentemente do tamanho, da atuação ou história está inume aos impactos – bons e ruins – da referida disciplina. Já a segunda, ligada aos CPFs, é que toda pessoa, em qualquer cargo, que exerça algum tipo de ocupação profissional também sofre seus impactos. Não se trata de reduzir pessoas e organizações apenas a números. Mas, sim, de reconhecer a amplitude do tema no mundo atual. Cabe, então, a seguinte reflexão: por que será que tanto a organização quanto quem nela atua está à mercê das nuances dessa comunicação – mais comumente conhecida por Comunicação Interna?

A resposta é óbvia, mas não é simples. Óbvia, pois qualquer comunicação só se dá entre partes (ao menos, entre duas: o emissor e o receptor). Grosso modo, é preciso que haja, no início do processo comunicacional, uma entidade que fale – ou produza qualquer tipo de linguagem– e outra que receba, interprete e entenda tal conteúdo. Mas atenção! É preciso gerar entendimento ao final. Se não for assim, não haverá comunicação. Ponto.

E por que afirmar que tal dinâmica não é simples? Porque quando se pensa na Comunicação com Empregados, CNPJs e CPFs quase sempre possuem expectativas e necessidades diferentes quanto a ela.

Do lado dos CNPJs recai a responsabilidade (de grande significado, contudo, baixíssima adoção) de promover uma Cultura Organizacional que não seja refratária à prática efetiva da Comunicação com Empregados. Aqui entra em jogo, principalmente: o empenho da alta gestão em promover um ambiente onde o diálogo seja possível; a efetiva prática da transparência em relação aos temas que impactam o público interno (o que inclui comunicar aquilo que é, por vezes, difícil); o zelo pela coerência entre o discurso e a prática da liderança e, por fim, a manutenção em longo prazo de um planejamento estratégico para a área (isso significa – desculpem por lembrá-los disso, caros Diretores! – o aporte de recursos humanos e financeiros adequados).

Engajamento. Para que tudo isso aconteça, o primeiro passo é inserir a Comunicação com Empregados na gestão. A boa notícia é que todo esse esforço vale a pena, uma vez que organizações com uma Comunicação Interna estratégica têm empregados mais engajados. E alto índice de engajamento é tudo que qualquer CNPJ precisa: ele representa a queda de 48% dos acidentes de trabalho, 41% dos problemas de produtividade e 25% do turnover. E mais: é responsável pelo incremento em 22% da rentabilidade (dados da pesquisa State of the American WorkplacedoGallup).

Agora, e quanto a nós, CPFs, comumente angustiados com a vivência profissional? Como dito acima, estamos num dos lados do processo da comunicação, entretanto nos posicionamos de maneira passiva nessa relação. Ledo engano! A baixa consciência de que o conteúdo da Comunicação com Empregados é essencial para odesenvolvimento profissional (leia-se: crescimento e promoção!) nos induz ao erro. Isto porque estão implícitas no discurso da organização – corporificado em suas mensagens, canais oficiais e na prática da liderança – quais são as agendas de valor da companhia naquele momentode sua trajetória. Saber qual o caminho a ser trilhado como grupo, e qual o papel devo desempenhar nesse percurso são vitais. Só com domínio sobre tais assuntos será possível realizar um bom trabalho, que receberá o destaque e reconhecimento merecidos. Por isso, cabe a cada um afastar o fantasma do desinteresse e superar o preconceito com o “jornalzinho”.

Por tudo isso, a comunicação interna precisa ser umprocesso contínuo e perene: quão mais estratégico for, maior sua atratividade. Por consequência, maior será o interesse que desperta e isso significa mais conhecimento – o que leva ao engajamento e à participação ativa do empregado, tanto na trajetória da organização quanto em sua vida profissional.

Thatiana Cappellano – tcappellano@faap.br

Relações Públicas, vice-coordenadora da Habilitação em Relações Públicas da FAAP; consultora sobre comunicação e coautora do livro “Comunicação com Empregados: A Comunicação Interna sem fronteira”, juntamente com Viviane Mansi e Bruno Carramenha

Comments

comments

Artigos relacionados

2 Comments on "Comunicação Interna é destaque no O Estado de S.Paulo"

  1. Luara Canobre disse:

    É este desafio: criar conexões e conteúdos que gerem valor, olhar para o colaborador, para a empresa e para a cultura da organização, em busca de engajamento, de fortalecer relações, é que torna a nossa profissão deliciosamente desafiadora.
    Ótimo texto e inspiração. Parabéns!

  2. Thatiana Cappellano disse:

    Oi Luara, que bom que gostou do texto. Temos nos preocupado muito – Viviane, Bruno e eu – em olhar para o assunto de uma perspectiva mais ampla e rica. Acreditamos que é desta forma que conseguiremos fazer com que essa nossa profissão (deliciosamente desafiadora, eu concordo!) ganhem a relevância necessária. Um abraço, mantenha contato! Thatiana

Tem algo a dizer? Fique a vontade!

 
Seguir

Receba os posts em seu email.

Cadastre seu email