Comunicação interna mobile não é só para grandes empresas

Comunicação interna via mobile tem sido um dos temas de debate recente na área. Entre tendência e evidência, observo que empresas ampliando seus canais de comunicação para os dispositivos eletrônicos individuais conectados. Só que paira a dúvida sobre o quê e como fazer. Todavia, há quem pense que a comunicação via celular ou tablet seja coisa de empresa grande. Afinal, não seriam necessários grandes investimentos para isso acontecer? Vi recentemente um caso que derruba esse tabu.

Em nome de um laboratório de pequeno porte, um grupo de médicos realiza exames de imagem em diversos hospitais na grande São Paulo. A organização possui funcionários espalhados em unidades, quase nunca vão à sede da companhia e raramente ficam na frente de computadores, a não ser para escrever o laudo dos exames. Até um determinado momento, a comunicação interna poderia ser considerada deficiente, sem canais específicos e tão pouco com periodicidade definida para informações relevantes. Além disso, a partir de pesquisa, a empresa notou um sentimento baixo de espírito de equipe e de engajamento. Ou seja, a comunicação interna já estava em estado grave, com risco de morte.

Sentindo a necessidade de ter maior contato com o corpo médico, uma funcionária da sede tomou uma simples iniciativa que transformou a comunicação interna. Inspirada no antigo pager – para os mais novos, trata-se de uma aparelho usado na década de 1990 que transmitia apenas mensagens de texto – a funcionária sugeriu que todos os médicos adotassem um aplicativo de mensagens para o celular. Em seguida, criou um grupo oficial de comunicação da empresa via aplicativo. Imagina qual foi o resultado?

As primeiras mensagens foram recebidas com entusiasmo pelo público, o que surpreendeu os donos da empresa. Logo depois, para endereçar assuntos diversos pelo mesmo canal, as mensagens passaram a ter em seu início o tema do assunto, como se fosse uma editoria da mensagem. Pronto! Entre informações como regras da empresa, informações técnicas, dicas de saúde e happy-hour, além de esclarecimento de dúvidas e trocas de experiências – para diálogo com os médicos – o aplicativo passou a ser o principal canal regular de comunicação interna.

Comunicação interna mobile só para empresas de maior porte? Às vezes, essa mania de grandeza pode nos levar a pensar em soluções de igual tamanho. Um sistema que dispara mensagens, conectada pessoas, etc. e tal. No caso do laboratório, o investimento foi bem baixo, apenas o valor para fazer o download do aplicativo para os celulares e a compra de dois aparelhos smartphones mais modernos – pois a iniciativa começou com um dispositivo bem simples. Entretanto, ver uma nova postura de comunicação não tem preço. O grupo de médicos passou a trocar mais mensagens, promover debates e buscar melhorias, retornar com agradecimento pelas informações recebidas e tangibilizar novamente o espírito de equipe. Pode não ser a solução de todos os problemas, mas o ROI dessa iniciativa foi muito maior do que se pode imaginar no início. A comunicação interna, com o mobile, saiu do estado terminal. Ainda bem.

Comments

comments

Artigos relacionados

Tem algo a dizer? Fique a vontade!

 
Seguir

Receba os posts em seu email.

Cadastre seu email